segunda-feira, abril 16, 2018

Fábrica fechada
5 de abril de 2018




Uma fábrica de cigarros na província de Tbong Khmum, no Camboja, foi ordenada na terça-feira a interromper a produção porque não incluía advertências de saúde em suas embalagens, de acordo com uma matéria no The Khmer Times.

Representantes do Ministério do Interior, juntamente com autoridades judiciais e locais, encerraram a produção e apreenderam mais de 1.600 embalagens não conformes.

Hak Siek Lim, porta-voz do Tribunal Provincial de Tbong Khmum, disse que a produção não poderá ser retomada até que a empresa que opera a fábrica, a CTK Co. Ltd, possa cumprir suas obrigações.

Dr.Mom Kong, diretor executivo do Movimento pela Saúde do Camboja, que pressionou pelas advertências de saúde nos maços de cigarros, disse que a conformidade era melhor entre as empresas que vendiam cigarros no país e no exterior.

As empresas que mais vendem no mercado interno estão mais relutantes em alertar o público sobre os perigos do cigarro.

De acordo com um relatório do Centro Nacional de Promoção da Saúde publicado no ano passado, havia 1,68 milhão de fumantes no Camboja.

Em junho, o ministro da Saúde, Mam Bunheng, disse que o uso do tabaco era um obstáculo para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, uma vez que prejudicava a saúde pública, a economia e o meio ambiente.

"O Ministério da Saúde quer proibir fumar no trabalho e em locais públicos, proibir a publicidade ao tabaco e parar com os patrocínios e promoções de fabricantes de tabaco", disse ele.

Bunheng acrescentou que os funcionários do Ministério também queriam reforçar os avisos e imagens impressas nas embalagens de produtos de tabaco e expandir as campanhas de saúde pública, desencorajando o fumo.

www.tobaccoreporter.com

terça-feira, abril 03, 2018

JT adquire Donskoy Tabak

15/03/2018. Japan Tobacco (JT) concordou em adquirir a fabricante de cigarros russa Donskoy Tabak em um movimento que reforçará a sua posição de liderança no mercado russo, informou a empresa em um comunicado de imprensa.

Por um preço estimado de compra de 90 bilhões de rublos (1,274 bilhão de euros), JT disse esperar que a aquisição da Donskoy Tabak esteja concluída no terceiro trimestre do ano fiscal de 2018. Donskoy Tabak é a quarta maior companhia de tabaco da Rússia e tem uma participação aproximada de mercado de 7%, com marcas de cigarros como Donskoy Tabak, Kiss e Play sendo bem estabelecidas no segmento de valor da Rússia, disse JT.

As vendas líquidas da Donskoy Tabak para os 12 meses encerrados em 31 de dezembro de 2017 totalizaram 15,825 bilhões de rublos, com lucro operacional para o mesmo período totalizando 3,474 bilhões de rublos, de acordo com o comunicado de imprensa.

Mutsuo Iwai, presidente de negócios globais de tabaco da JT, disse: “Esta aquisição demonstra nosso compromisso em reforçar nossa posição número um na Rússia. Há vários anos, esse mercado tem sido um dos pilares do crescimento dos lucros do nosso grupo. Essa transação aumentará nossa participação no mercado para aproximadamente 40% e contribuirá para o lucro do grupo imediatamente, com sinergias esperadas nos anos seguintes. ”

Eddy Pirard, presidente e diretor executivo da divisão internacional de operações da JT, Japan Tobacco International, comentou no comunicado: “Ao longo de 2017, restauramos nossa participação de mercado na Rússia, impulsionada pelo sucesso de nossas marcas globais, Winston e LD. Com as marcas de valor da DT complementando nosso portfólio de produtos existente e sua forte força de vendas expandindo nossa rede de distribuição, fortaleceremos nossa competitividade geral no país ”, disse Eddy Pirard, Presidente e CEO da JTI.

www.tobaccoreporter.com

sexta-feira, março 09, 2018

Filipinas: Novas advertências publicadas

7 de março de 2018

O Departamento de Saúde das Filipinas publicou ontem novas advertências gráficas que serão incluídas nas embalagens de cigarros, conforme informações de ABS-CBN.

Há 12 advertências, incluindo uma que descreve um paciente com câncer de boca, um garoto atingido por asma e um bebe morto.

Os avisos indicam, também, que os ingredientes dos cigarros são usados em limpeza de líquidos e limpadores de banheiro.

Essas advertências tornam-se obrigatórias sob uma lei de quase quatro anos, assinada pelo ex-presidente e fumante Benigno "Noynoy" Aquino.

O sucessor de Aquino, o presidente Rodrigo Duterte, assinou no ano passado uma ordem executiva que restringe o tabagismo em locais públicos, replicação de um decreto da cidade que ele instituiu como prefeito de Davao.

Cerca de 15,9 milhões de adultos filipinos fumam produtos de tabaco, abaixo dos cerca de 17,0 milhões em 2009, de acordo com o Inquérito Mundial Global de Tabaco de 2015.

www.tobaccoreporter.com

terça-feira, fevereiro 13, 2018

Turquia: Em análise, as embalagens genéricas.

12 de fevereiro de 2018

O governo turco está considerando a introdução de embalagens padronizadas para produtos de tabaco, conforme informa o The Hurriyet Daily News citando o ministro da Saúde, Ahmet Demircan.

Demircan não elaborou, mas disse que os detalhes das medidas planejadas seriam revelados nos próximos dias.

"Os maços de cigarros não devem ser facilmente acessíveis e não devem tornar o tabaco atraente", disse ele.

"As embalagens não devem servir como materiais de propaganda. Temos de tomar as medidas necessárias para evitar isso ".

Mais de 26 milhões de pessoas dizem ter chamado a "linha 172 de ajuda para parar de fumar" que foi lançado pelo Ministério da Saúde em 2010 e cerca de 70% dessas pessoas deixaram de fumar, de acordo com o ministro.

Mas, em novembro de 2017, ele disse que, enquanto a proporção de usuários de tabaco com idade entre 15 e acima caiu para 26,8% em 2012, a taxa aumentou para 32,5% em 2014.

As últimas medidas propostas seguem a cruzada anti-tabaco de longo prazo do Judiciário e do Desenvolvimento (AKP), que começou com uma proibição de fumar em lugares públicos fechados em 2009.

"Você não tem liberdade para se suicidar, então você não tem liberdade para se expor a doenças terminais ...", disse o presidente Recep Tayyip Erdoğan, conhecido por suas fortes opiniões anti-tabagistas, em 2016.

"Não pode haver liberdade como a liberdade de fumar ... O Estado deve proteger seus cidadãos contra o tabaco, álcool e drogas, assim como é obrigado a protegê-los contra crimes como roubo e terrorismo".

www.tobaccoreporter.com

domingo, janeiro 28, 2018

Mevius floresce no Japão

24 de janeiro de 2018

Japan Tobacco Inc. disse que pretende lançar em todo o país, no mais tardar dia 15 de março, outras embalagens de edição limitada de sua marca de cigarros Mevius.

Maços, boxes normais e 100's de Mevius, Mevius Lights, Mevius Super Lights, Mevius Extra Lights e Mevius One estarão disponíveis em lojas de varejo selecionadas, em quantidade limitada.

A formulação dos cigarros permanecerá inalterada.

O design da última embalagem de edição limitada é dito ser uma reminiscência da beleza da flor de cerejeira japonesa (Sakura).

"Completamos as cores atuais com aquelas que retratam a natureza em mudança do céu e a flor de cerejeira durante toda a noite e pela manhã", disse JT em uma nota publicada em seu site.

"A última edição da marca Mevius foi concebida para ser edificante e esclarecedora, incentivando os consumidores a abraçarem novos horizontes".

As primeiras embalagens de edição limitada, lançadas em maio de 2017, retrataram a mudança do céu de manhã até à noite.

A segunda edição, lançada em outubro, expressou a grandeza e a beleza do céu e do monte Fuji.

www.tobaccoreporter.com

BAT investe na Croácia

24 de janeiro de 2018

British American Tobacco informou que vai investir neste ano, 40 milhões de euros em sua fábrica em Kanfanar, Croácia, como informado pelo The Total Croatia News, citando um porta-voz da empresa.

Nos dois anos, desde que assumiu a fábrica Tvornica Duhana Rovinj (TDR), a equipe croata da BAT fez grandes progressos, posicionando fortemente a TDR no sistema BAT, disse Antal Bekefi, novo diretor da BAT para a região de Adria.

Em outubro, Adria expandiu sua área de atuação, que agora abrange, além da Eslovênia, da Croácia e da Bósnia e Herzegovina, os mercados da Sérvia, Montenegro, Macedônia, Albânia e Kosovo.

A Croatia News disse que, juntamente com os mercados búlgaro e romeno, a região de Adria estava se tornando parte da nova área organizacional da BAT na Europa Central e do Sul.

BAT é um dos maiores investidores e exportadores privados na Croácia, com 80% de sua produção em Kanfanar sendo exportada.

O setor croata da região Adria da BAT emprega 1.650 trabalhadores.

www.tobaccoreporter.com

quarta-feira, janeiro 24, 2018

Indústria de cigarros quer mais prazo para trocar advertências nos maços
Anvisa fixou um prazo de cinco meses e 10 dias, e a data-limite vence em 25 de maio

23/01/2018 -  Ingrid Soares - Especial para o Correio

A Associação Brasileira da Indústria do Fumo (Abifumo) entrou, nesta segunda-feira (22/1), com ação ordinária contra a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A entidade pede a extensão do prazo para o recolhimento e a troca das advertências nas embalagens antigas dos maços de cigarro. A Anvisa fixou um prazo de cinco meses e 10 dias para que a indústria troque as advertências. A data-limite vence em 25 de maio.

O diretor de Assuntos Regulatórios da Souza Cruz, Renato Casarotti, disse que os prazos concedidos nas adequações anteriores determinadas pela agência variavam de nove a 15 meses. “Queremos deixar claro que não temos a intenção de descumprir as regras, mas precisamos do prazo original de 12 meses para completar o processo, garantir que não falte mercadoria e que não sejam encontradas embalagem antigas nos pontos de venda. Como está, o prazo é impossível de ser cumprido. Fabricamos 50 bilhões de cigarros por ano, fazer a adequação em cinco meses é impossível”, afirmou.

Outra reclamação é o fim da licença contratual para uso das imagens que ilustram as embalagens e painéis de alerta. De acordo com Casarotti, a Anvisa transferiu o problema contratual para a livre iniciativa.

Segundo ele, entre as consequências do prazo curto para a mudança das embalagens está a queda na arrecadação e o desabastecimento de cerca de 50% do mercado nos primeiros quatro meses. “O setor formal estima uma perda de arrecadação de até R$ 2 bilhões, além do aumento do mercado ilegal, que já ocupa 48% das vendas”, disse.

Em 15 de dezembro, a Anvisa publicou resolução com nove imagens de advertência sanitária que devem ocupar toda a parte frontal das embalagens de cigarros fabricados no Brasil. A mudança também atinge os expositores de venda, que não poderão conter luzes, efeitos visuais ou sons para chamar a atenção do consumidor. Os cigarros também não poderão ficar próximos a doces ou brinquedos, e a cor de destaque das imagens é o amarelo, que, segundo a agência, dá maior visibilidade para as mensagens com temas como câncer de boca, cegueira, impotência sexual, trombose e morte.

Em nota, a Anvisa relata que a regulamentação que trata das novas embalagens de produtos fumígenos, derivados ou não do tabaco, seguiu o rito regulatório da agência e esteve em consulta pública por 30 dias, ocasião em que toda a sociedade, incluindo a Abifumo, pôde se manifestar sobre o tema.

http://www.correiobraziliense.com.br

sábado, dezembro 16, 2017

Cigarros terão novas imagens de advertência

Todos os produtos fumígenos derivados do tabaco, tais como: cigarros, charutos, cigarrilhas, fumos de cachimbo, etc., devem adequar embalagens até 25 de maio de 2018.

Por: Ascom/Anvisa
Publicado: 15/12/2017 10:01

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou, nesta sexta-feira (15/12), a Resolução da Diretoria Colegiada 195/2017 com as novas imagens de advertência sanitária, que são obrigatórias nos rótulos dos cigarros e demais produtos derivados do tabaco comercializados no Brasil. Além de nove novas imagens de advertência padrão, que ocuparão 100% da face posterior das embalagens, a resolução apresenta novos modelos de advertências frontal e lateral e um novo modelo gráfico para a mensagem de proibição de venda para menores de 18 anos.

As novas mensagens apresentam uma comunicação mais direta com os consumidores sobre os riscos que esses produtos causam à saúde e, também, utilizam um conjunto de cores que dão maior destaque e visibilidade para as mensagens.  As novas advertências padrão têm os temas: câncer de boca, cegueira, envelhecimento, fumante passivo, impotência sexual, infarto, trombose e gangrena morte e parto prematuro.

Além disso, assim como a advertência frontal, passarão a ficar sobre um fundo amarelo mais chamativo, ao invés do fundo preto dos alertas anteriores. A advertência lateral continuará no fundo preto, mas terá um alerta de Perigo: Produto Tóxico, que correlacionará as substâncias tóxicas presentes no produto com itens do cotidiano das pessoas, bem como com as doenças causadas pelo seu uso. A mensagem de venda proibida para menores de 18 anos ficará em um fundo vermelho, para que haja também um maior destaque da mensagem.

Adequação e fiscalização - A norma é válida para todos os produtos fumígenos derivados do tabaco, tais como: cigarros, cigarrilhas, charutos, fumos de cachimbo, fumos de narguilé, rapé, dentre outros. As mudanças entrarão em vigor em 25 de maio de 2018, mas as empresas que já quiserem, poderão se adequar antes deste prazo.

Após a referida data, as embalagens que não estiverem de acordo com a nova Resolução não poderão ser produzidas, distribuídas, expostas à venda ou comercializadas. Também deverão ser recolhidas pela empresa detentora do registro.

O não cumprimento da nova regulamentação implica em infração sanitária, estando os fabricantes e estabelecimentos que comercializam esses produtos sujeitos a penalidades que podem chegar a R$ 1,5 milhão.  A fiscalização é feita pelas autoridades sanitárias dos Estados e Municípios, órgãos ligados às respectivas Secretarias de Saúde.


Convenção – Quadro
A atualização e o uso das advertências sanitárias nas embalagens dos produtos derivados do tabaco estão previstos na Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (CQCT), adotada pelos países membros da Organização Mundial de Saúde (OMS), da qual o Brasil é signatário. Dentre outras orientações, a Convenção estabelece que os países devem adotar medidas sanitárias na embalagem e na etiquetagem de produtos de tabaco, indicando que “cada carteira unitária e pacote de produtos de tabaco, e cada embalagem externa e etiquetagem de tais produtos devem conter advertências descrevendo os efeitos nocivos do consumo do tabaco, podendo incluir outras mensagens apropriadas”. A Convenção-Quadro foi internalizada no Brasil por meio do Decreto nº 5658/2006.


Antes mesmo da promulgação da CQCT, desde 2001, o Brasil já determinava a obrigatoriedade das advertências sanitárias sobre os malefícios causados pelo uso do tabaco nas embalagens e propagandas de produtos fumígenos derivados do tabaco, sendo o 2º país a utilizar imagens de advertência.














http://portal.anvisa.gov.br