domingo, fevereiro 22, 2015

Parlamentares coreanos debatem fotos de advertência nos maços de cigarros

22/02/2015
Por Kim Se-jeong

Os parlamentares vão começar a debater terça-feira, a possibilidade de tornar obrigatório aos fabricantes de cigarros, a impressão de fotos nos maços de cigarros, mostrando os perigos do tabagismo.

O Comitê da Assembleia Nacional da Saúde e Bem-Estar irá analisar a proposta do governo de rever as leis, para que se exijam fotos de advertência, como pulmões danificados ou dentes podres. Atualmente, os fabricantes de tabaco são obrigados apenas a imprimir um aviso de saúde.

Observadores disseram que há uma boa chance de as revisões ocorrerem. O governo fez 11 tentativas sem sucesso para ter as fotos de advertências nos maços de cigarros a partir de 2002.

"Muitos membros da comissão concordam que está na hora de as fotos de advertência se tornarem obrigatórias", disse o deputado Kim Sung-ju. "Precisamos descobrir como e quando iniciá-lo."

Mas a oposição é forte a partir dos fumantes, que reivindicam o tabagismo como um direito básico concedido pela Constituição. O lobby das companhias de tabaco também é um obstáculo.

O governo tomou recentemente medidas fortes para proibir ou restringir o fumo.

O Ministério da Saúde quase dobrou o preço dos cigarros recentemente. Ele também proibiu o fumo em todos os bares, restaurantes e cafés, independentemente do tamanho. O governo está trabalhando para se tornar ilegal a propaganda de cigarros em lojas de conveniência e proibir os fabricantes de tabaco de patrocínio de eventos esportivos e culturais.

O Ministério está sendo incentivado por experiências de outros países. No Canadá, fotos de advertência têm ajudado a reduzir o tabagismo entre os adolescentes. Outros estudos têm mostrado que as fotos ajudaram a reduzir a taxa de tabagismo de 2 a 3 por cento.

Fotos de advertência são usadas em mais de 70 países. Em 2016, o número chegará a 95, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cuja Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco, que a Coreia  assinou em 2005, também recomenda os avisos visuais.

skim@koreatimes.co.kr
www.koreatimes.co.kr

sábado, fevereiro 21, 2015

Paquistão exige 85% de advertências gráficas nas embalagens.

12 de fevereiro de 2015

O Ministro para os Serviços de Saúde, Regulamentos e Coordenação do Paquistão, Saira Afzal Tarar, disse que todos os maços de cigarros vendidos no país deverão apresentar novas advertências gráficas com 85% de cobertura, tanto na frente como no verso das embalagens, de acordo com informação no Business Recorder.

Falando em uma conferência de imprensa, o ministro disse que as empresas de tabaco deverão implementar os requisitos a partir de 30 de março e que serão feitos esforços para que todos os maços de cigarros apresentem as novas advertências até 30 de maio.

O ministro disse também, que o governo havia decidido aumentar os impostos sobre os produtos de tabaco, e que, a este respeito, uma comissão, com representantes da Organização Mundial da Saúde e do Conselho Federal de Receita, haviam sinalizado o objetivo de interromperem o uso do tabaco.

Segundo o ministro, o Paquistão será o terceiro país, depois da Tailândia e da Índia, a exigir advertências gráficas que cubram 85% da superfície dos maços.

www.tobaccoreporter.com
Brascuba registra produção de 3,4 trilhões de cigarros em 2014
21/2/2015 02h45

Havana, 20 fev (EFE).- A empresa cubano-brasileira Brascuba, uma das primeiras companhias de capital misto criadas em Cuba, produziu 3,4 trilhões de cigarros em 2014 e realiza investimentos no valor de US$ 10 milhões para suprir a demanda do ano em curso, informaram nesta sexta-feira seus diretores. Os copresidentes da Brascuba, o cubano Jorge V. Abraham Maluf e o brasileiro Alexander Carpenter, disseram hoje que a empresa alcançou um "recorde produtivo" no ano passado, segundo a imprensa cubana. Os dois acrescentaram que a companhia, criada há 20 anos em Cuba, se caracterizou pelo crescimento de seus volumes de produção e receitas econômicas, além da elevada qualidade das marcas de seus cigarros como Hollywood, Lucky Strike e Coíba. O diretor brasileiro disse que a empresa exporta para dezenas de países, entre eles Espanha, México, nações de o Oriente Médio, Rússia e Panamá, além do próprio Brasil. Também informou que entre os projetos da empresa está a construção de uma nova fábrica com tecnologia de ponta na Zona Especial de Desenvolvimento do porto de Mariel em 2018, como parte de seus planos para quintuplicar suas exportações e satisfazer a crescente demanda nos mercados. A Brascuba surgiu em 1995, como resultado de um convênio de colaboração entre a Souza Cruz S.A. e a União de Empresas de Tabaco de Cuba, atualmente Tabacuba. EFE

http://noticias.r7.com/

domingo, fevereiro 01, 2015

Fabricante número um de tabaco do Reino Unido, Imperial Tobacco, comemora 100 anos da marca britânica Lambert & Butler.


Para marcar a ocasião, Imperial Tobacco lançou uma edição limitada em dezembro.

Um dos nomes mais reconhecidos na categoria de tabaco, Lambert & Butler foi criado em 1834 quando Charles Lambert & Charles Butler estabeleceram uma loja em Londres.

2013 viu toda a categoria de Lambert & Butler revigorada. Apesar das condições econômicas adversas, cerca de 1 em cada 10 maços de cigarros vendidos no Reino Unido levam o logotipo L & B.

Lambert & Butler oferece aos fumantes adultos uma escolha tanto de sabor como de inovação. A mais recente adição à gama da marca Lambert & Butler é L & B Blue, disponível em embalagens King Size 19 cigarros em variantes full flavor e smooth.

Gerente da Imperial Tobacco, Rebecca Cottee disse: "Na Imperial Tobacco inovação é de vital importância e nosso objetivo é garantir a nossa carteira contínua e evoluir, para refletir com precisão a dinâmica da categoria. Como uma das marcas de tabaco mais reconhecidas e com 100 anos de herança, Lambert & Butler manteve relevância e modernidade graças ao significante investimento que Imperial Tobacco colocou no desenvolvimento desta marca premium ao longo das últimas três décadas."

Fonte: Imperial Tobacco

sábado, janeiro 31, 2015

Imperial Tobacco celebra 100 anos de sua marca Embassy.



1914 foi um ano cheio de novidades históricas, não só foi o ano do nascimento dos cigarros Embassy, mas também se viu o início da Primeira Guerra Mundial, o lançamento dos automóveis Ford-T de Henry Ford e a estréia do filme de Charlie Chaplin.

Com o seu design clássico britânico, Embassy tem sido uma das marcas de cigarros mais populares por gerações de fumantes adultos.

Em 1962, a marca foi relançada como Embassy Filter, uma marca que tomou o mercado pela tempestade; em 1968 Embassy Filter foi o cigarro mais popular no Reino Unido, com uma quota de 24% do mercado.

Rebecca Cottee, gerente de marca da Imperial Tobacco disse: "Como uma de nossas marcas mais icônicas, Embassy é e continua a ser uma parte intrínseca do património da Imperial Tobacco. Para uma marca como a Embassy, sobreviver por 100 anos é uma grande conquista".

Fonte: Imperial Tobacco
Philip Morris revela novo visual para Marlboro

29 de Janeiro de 2015



Philip Morris Limited revelou os novos projetos e atualizações de produtos para Marlboro, marca número um de cigarro no Reino Unido. Marlboro Red, Gold, Silver Blue, Ice Blast e White Menthol vão evoluir simultaneamente a partir do início de fevereiro.

Essas atualizações de design de embalagem e produtos refletem a constante evolução da marca ao longo de sua história de 90 anos, mas, sobretudo, o gosto permanece o mesmo.

As novas embalagens têm mantido o ícone Marlboro, e agora possuem um acabamento de toque suave e um design mais limpo, mais contemporâneo. Os cigarros têm se tornando a nova gama Marlboro exclusiva para o mercado local.

Diretor da Philip Morris para o Reino Unido e Irlanda, Martin Inkster comentou: "Marlboro sempre lidera o caminho e temos feito o movimento ousado para redesenhar o produto e garantir que os fumantes adultos obtenham a melhor experiência possível ao fumar. Nossa nova embalagem nos diferencia da concorrência, fortalece as credenciais da marca Marlboro, e o mais importante, contém a gama de cigarro mais vendida do mundo. Nós também adicionamos filtros firmes que oferecem qualidade que você pode sentir.

"Marlboro tem sido a marca global número 1 desde 1972 e é também a marca mais reconhecida que existe. Em um momento crucial para o varejo, estamos investindo na marca para garantir que continue a entregar-lhes bons retornos do segmento premium, altamente rentável.

"Embora a icônica marca Marlboro esteja evoluindo, o gosto não está mudando. Esta mensagem importante será comunicada através do nosso campo de força nacional que estão trabalhando diretamente com os varejistas para impulsionar a conscientização, disponibilidade e participação de mercado".

Fonte: Philip Morris Limited
Sri Lanka: Oitenta por cento destinado aos avisos de advertência

30 de janeiro de 2015

O Gabinete de Ministros do Sri Lanka aprovou legislação para obrigar as empresas de tabaco a incluir em seus maços de cigarros advertências sanitárias ocupando 80 por cento da superfície dos maços [presumivelmente em ambas as superfícies], de acordo com uma série de relatórios locais.

A lei deverá ser aprovada pelo Parlamento durante o programa de 100 dias do novo governo.

Em maio do ano passado, num entrave de um fabricante de cigarros contra a exigência do governo para a inclusão de advertências gráficas nos maços de cigarros, um tribunal reduziu o tamanho das advertências de 80% para 50-60%.

Falando em uma conferência de imprensa semanal do gabinete, ontem, o ministro da Saúde e porta-voz do Conselho de Ministros, Dr. Rajitha Senaratne, disse que a decisão anterior sobre o tamanho das advertências de saúde tinha sido feita pelo ex-ministro da saúde, e, por isso, o tribunal teve capacidade para anular essa decisão.

Desta vez, disse ele, o governo vai garantir que a legislação que exige 80 por cento de advertências ilustradas seja legitimada através do parlamento, caso em que nenhum tribunal seria capaz de revogá-la.

www.tobaccoreporter.com

sexta-feira, janeiro 23, 2015

Polícia Federal fecha fábrica clandestina de cigarros no interior de SP

22/1/2015 às 11h33

Uma fábrica clandestina de cigarros, com capacidade para produzir 1 milhão de maços por dia, foi fechada na tarde desta quarta-feira, 21, em Rio Claro (SP). No local, na Rodovia Washington Luís, havia 8 toneladas de tabaco e máquinas avaliadas em R$ 8 milhões, além de toneladas de materiais para falsificar cigarros de marcas conhecidas.
Toda a produção ficava em um galpão próximo ao quilômetro 186 da rodovia, no sentido São Paulo. A Polícia Federal contou com o apoio da Polícia Rodoviária durante a ação que fechou a fábrica. Um homem que estava no local foi detido e um veículo Gol apreendido pelos policiais. O suspeito alegou ser apenas o zelador e acabou liberado após prestar depoimento.
A fábrica estaria produzindo atualmente 5 mil maços por dia das marcas WS e Fly, sendo localizadas 25 caixas desses dois cigarros, além de 900 mil filtros, 1 milhão de selos falsos para burlar a fiscalização, embalagens diversas e outros produtos. Tudo foi recolhido e mandado para o depósito da Receita Federal em Araraquara.
A Polícia Federal tenta identificar agora os responsáveis pela fraude, mas não forneceu mais detalhes sobre o andamento das investigações.
Estadão/R7.com

quarta-feira, dezembro 31, 2014

Produtores africanos de folha de tabaco protestam contra embalagens genéricas

23 de dezembro de 2014

Zimbabwe e outros países da SADC (Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral -Southern African Development Countries) planejam protestar numa próxima convenção da Organização Mundial de Saúde (OMS) contra a imposição de produtos de tabaco  que usam embalagens genéricas, de acordo com informação do Zimbabwe Standard.

Os países dizem que a mudança para embalagens padronizadas prejudica as suas economias e promove a venda de cigarros ilícitos.

Desde 01 de dezembro de 2012, o governo da Austrália tem exigido que todos os produtos de tabaco devem ser vendidos em embalagens projetadas para serem  tão feias quanto possível. As embalagens de cigarros estão extremamente dominadas por advertências gráficas, em tom de cor verde-oliva padrão, não possuindo logotipos ou outras características de projeto, e tendo os nomes das marcas e variantes em uma fonte padronizada e na mesma posição.

Vários outros países estão considerando impor embalagens de cigarros padronizadas, embora alguns estejam aguardando resultados perante a Organização Mundial do Comércio.

O Standard disse que a indústria do tabaco do Zimbabwe empregou milhares de pessoas e que o tabaco foi responsável por 10,5% do produto interno bruto do país.


No ano passado, o Zimbabwe foi responsável por 44% de todas as exportações de tabaco em folha da SADC, enquanto Zimbabwe, Tanzânia, Moçambique, Zâmbia e Malawi foram responsáveis por 15% das exportações mundiais de tabaco em folha.

www.tobaccoreporter.com
Eastern construirá fábrica de cigarros em Malawi

29 de dezembro de 2014. Eastern Tobacco planeja investir US$ 40 milhões (33 milhões de euros) em uma fábrica de cigarros a ser construída em Malawi, segundo informa o Egypt Independent.
Eastern  se tornaria acionista majoritária, com uma participação de 51%, informou a versão on-line em Inglês do jornal Al-Masry Al-Youm. Os planos da Eastern Tobacco se tornaram públicos na bolsa de valores egípcia, disse o Independent.


Tobacco Journal International

segunda-feira, novembro 10, 2014


Novas advertências gráficas para as Filipinas

10 de novembro de 2014

O Departamento de Saúde das Filipinas (DOH) publicou 12 modelos para as advertências gráficas de saúde definidas a serem incluídas nos maços de cigarros, segundo informam o Daily Inquirer e o Sun-Star.

Os 12 avisos devem ter rotatividade, de modo que cada variante de cada marca possa mostrá-los todos, aproximadamente na mesma frequência, durante um período de 24 meses.

Eles incluem imagens ou metáforas para as pessoas que sofrem dos efeitos de acidente vascular cerebral, enfisema, câncer de boca, gangrena, impotência, câncer de garganta, câncer de pescoço e nascimentos prematuros e bebês com baixo peso ao nascer.

Com o lançamento das advertências, os fabricantes de cigarros têm 12 meses para cumprir a lei de alerta de saúde.

Em cima disso, os varejistas terão mais oito meses para esgotar seus estoques de produtos do tabaco que não apresentem as novas imagens de advertência.

www.tobaccoreporter.com