sexta-feira, maio 08, 2015

PF fecha fábrica de cigarros clandestina em Lavrinhas-SP
A Crítica de Campo Grande-MS, Quinta, 7 de Maio de 2015 - 09:27  

Foram encontrados milhares de maços de cigarros, de marcas variadas, nacionais e estrangeiras.


A Polícia Federal, em atuação conjunta com a Receita Federal, fechou na última terça (5) uma fábrica clandestina de cigarros que funcionava às margens da Rodovia Presidente Dutra, no município de Lavrinhas/SP.

A ação visava dar cumprimento a mandado de busca e apreensão para averiguar notícia que o local serviria como depósito de insumos para fabricação de cigarros falsificados. Foram encontrados milhares de maços de cigarros, de marcas variadas, nacionais e estrangeiras, ostentando selos de controle de IPI falsificados. Havia, também, uma linha de produção completa para confecção e embalagem dos cigarros.

Ninguém foi encontrado. Será instaurado inquérito policial para apurar quem são os proprietários da fábrica clandestina, os quais poderão responder pela falsificação de selo de controle de imposto e importação irregular de maquinário.

Cigarros, máquinas, embalagens e matéria-prima foram apreendidos e encaminhados ao depósito da Receita Federal em Taubaté.

http://www.acritica.net/
Fábrica clandestina de cigarros é fechada em Lavrinhas, SP
06/05/2015 15h06 - Atualizado em 06/05/2015 17h25

No local, às margens da Dutra, foram encontrados maços e maquinário.
Ação foi realizada pela Polícia e Receita Federal; ninguém foi preso.

Caixas de maços de cigarro e maquinário foram encontrados na fábrica clandestina em Lavrinhas (Foto: Divulgação / Polícia Federal )

A Polícia Federal fechou na tarde dessa quarta-feira (05) uma fábrica clandestina de cigarros em Lavrinhas, interior de São Paulo. Aproximadamente 500 mil maços de cigarros foram apreendidos, mas ninguém foi preso.

Na ação, em conjunto com a Receita Federal, foi cumprido um mandado de busca e apreensão expedido pela Vara Federal de Guaratinguetá. As investigações que levaram ao local duraram dois meses.

Na fábrica, que fica às margens da Via Dutra, principal corredor viário entre São Paulo e Rio de Janeiro, foram encontrados maços de cigarro, de marcas variadas nacionais e estrangeiras, com com selos de controle. Segundo a polícia, nesse local havia também uma linha de produção completa para confecção e embalagem dos cigarros.
“Ainda não fizemos uma contagem mais refinada dos cigarros apreendidos, mas foram suficientes para encher dois caminhões baús”, disse o delegado Sérgio Mori da PF.

Ninguém foi encontrado na fábrica clandestina quando a polícia chegou ao local. Será instaurado um inquérito para apurar quem são os proprietários do local, que poderão responder pela falsificação de selos de controle de imposto e importação irregular de maquinário.

http://g1.globo.com/

sexta-feira, maio 01, 2015

Comissão Federal de Comércio dos EUA deverá aprovar negócio de US$ 27 bilhões.

New York Post
24 de abril de 2015




A Comissão Federal de Comércio deve aprovar a compra da Lorillard pela Reynolds American por US$ 27 bilhões em uma votação de 4 a 1, apesar das objeções de alguns funcionários da agência, informou New York Post.

O acordo irá combinar a segunda e a terceira maiores fabricantes de cigarros, e duas das três marcas de cigarros mais populares entre os jovens adultos, Newport e Camel.

A aprovação regulamentar abrirá caminho para uma transação de três vias, que vai remodelar a indústria do tabaco. Reynolds e Lorillard também concordam em vender cinco marcas por US$ 7 bilhões para a Imperial Tobacco.

Embora tenha havido algum ceticismo com a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos em aprovar o acordo, as empresas alegaram que a venda de Winston, Kool e outras marcas menores, deve colocar a Imperial numa forte terceira posição.

Imperial, que tem pouca presença nos EUA, também convenceu os reguladores de que pode construir seu negócio no país com base em seu sucesso no exterior, informou uma fonte.

Enquanto as autoridades de defesa da concorrência têm olhado de soslaio para outras mega-fusões nas indústrias de cabo e de alimentos, o tabaco já é uma indústria rigidamente controlada e que gera receitas fiscais enormes.

Mesmo assim, os críticos têm chamado os reguladores para bloquear o negócio, em parte devido às preocupações com a comercialização de tabaco para as crianças.

Matthew Myers, presidente da Campanha para Crianças Livres do Tabaco, advertiu no ano passado que a fusão poderia "aumentar o poder dessas empresas no mercado para as crianças."

Reynolds não retornou as ligações. A Comissão Federal de Comércio não quis comentar.

http://nypost.com/

sábado, abril 04, 2015

França aprova adoção de maço de cigarro "neutro" para combater tabagismo


FRANÇA/TABAGISMO - 
Artigo publicado em 03 de Abril de 2015 - Atualizado em 03 de Abril de 2015


RFI
Os deputados franceses votaram diversas medidas para combater o tabagismo nesta sexta-feira (3), entre elas, a adoção do maço de cigarro "neutro". O objetivo é uniformizar as embalagens, tornando-as menos atrativas para os fumantes.

A partir de maio de 2016, os maços de cigarro na França deverão ter todos os mesmo formato, tamanho e cor, sem nenhum logotipo. O nome das marcas aparecerão em letras pequenas na embalagem, mas todas terão a mesma fonte e tamanho.

A medida é contestada pela indústria do tabaco e pelos vendedores de cigarro franceses. Na França, os cigarros são vendidos apenas em tabacarias. Além delas, nenhum outro estabelecimento tem autorização de comercializar cigarros.



73 mil mortos por ano

Para a ministra francesa da Saúde, Marisol Touraine, a aprovação do pacote de medidas é essencial na luta contra o tabagismo. Doenças relacionadas ao consumo do cigarro matam 73 mil pessoas por ano na França - uma média de 200 mortes por dia.

No plano da luta contra o tabagismo também está previsto o fim de publicidades para cigarros eletrônicos, além da proibição de fumar em lugares fechados na presença de menores de 18 anos. As tabacarias só poderão vender o produto a maiores de idade.

Direita pode dificultar aprovação do projeto

Para que as mudanças sejam definitivamente validadas, elas devem ser votadas na próxima semana pelo Senado francês. No entanto, a direita francesa, que tem maioria de senadores, é contra o projeto. O argumento é que ele pode aumentar as vendas no mercado paralelo e prejudicar os donos de tabacarias.

Em todo o mundo, apenas a Austrália adotou o pacote "neutro" de cigarros. Na Europa, além da França, outros países, como a Irlanda, também devem aprovar medidas similares.

http://www.portugues.rfi.fr/

sexta-feira, abril 03, 2015

Anvisa aprova nova embalagem de cigarro com mais advertências
02/04/2015 15h17
Além das fotos na parte de trás, pacote terá advertência na parte da frente.
Produto com nova embalagem começa a ser vendido em janeiro de 2016.



A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, nesta quinta-feira (2), resolução que determina um novo modelo de embalagem para produtos derivados de cigarro.
Além da foto na parte de trás do maço, que já vem com uma advertência sobre os efeitos nocivos do cigarro, a parte da frente da embalagem também deverá trazer uma advertêcia ocupando 30% dessa face.
O texto da advertência deve ser: "Este produto causa câncer. Pare de fumar. Disque saúde: 136". A resolução determina ainda o tamanho e a cor das letras e do fundo. Os pacotes não poderão, de acordo com a norma, ter nenhum dispositivo que possa esconder ou dificultar a visualização da mensagem.
A resolução determina o cumprimento do que já havia sido determinado pela Lei 12.546, de 2011, conhecida como Lei Antifumo por proibir o fumo em locais fechados, além do Decreto 8.262, de 2014.
As embalagens com o novo modelo deverão começar a ser vendidas a partir de 1º de janeiro de 2016. A decisão, aprovada pela Diretoria Colegiada da Anvisa, deve ser publicada no Diário Oficial da União nos próximos dias. Antes de ser aprovada, a regulamentação passou por uma consulta pública de 10 dias.

http://g1.globo.com/

sábado, março 07, 2015

Anvisa abre consulta sobre alerta em cigarros neste sábado (7)

Publicidade ocupará trinta por cento da parte inferior da face frontal de produtos fumígenos derivados do tabaco


Foi publicada nesta sexta-feira (6) a Consulta Pública da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para definir a regulamentação de advertência sanitária em embalagens de produtos fumígenos derivados do tabaco. A publicidade ocupará trinta por cento da parte inferior da face frontal dos produtos.

A medida é resultado da Lei 12.564/2011 e do Decreto 8.262/2014, que trouxe avanços na política brasileira de redução do tabagismo. De acordo com o texto do Decreto, a partir de 1º de janeiro de 2016, as embalagens dos produtos fumígenos deverão trazer uma advertência também na parte frontal, ocupando 30% da face do maço.

O prazo de contribuições para a proposta começar a valer neste sábado (7) e terá duração de 10 dias. Para participar basta acessar a página de Consultas Públicas da Anvisa. As contribuições devem ser enviadas pelo formulário eletrônico disponível na página eletrônica.Participe da Consulta


http://www.brasil.gov.br/saude/2015/03/anvisa-abre-consulta-sobre-alerta-em-cigarros-neste-sabado-7

sexta-feira, março 06, 2015

Anvisa aprova frase de advertência para cigarros
postado em 05/03/2015 19:01
Agência Estado

Brasília, 05 - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta quinta-feira a frase de advertência que deverá ser estampada nos maços de cigarros a partir de janeiro de 2016. "Este produto causa Câncer - Pare de Fumar". Abaixo deverá vir o símbolo do Disque Saúde, serviço que traz orientações para quem quer combater a dependência do cigarro. Os dizeres, escritos em branco num fundo preto, deverão ocupar 30% da face frontal da embalagem.

A proposta deverá agora passar por uma consulta pública. As contribuições poderão ser feitas num prazo de dez dias, contados a partir da publicação do texto no Diário Oficial. A obrigação de fabricantes reservarem 30% do espaço frontal das embalagens para frase de advertência foi determinada pela Lei 12.564/2011 e pelo Decreto 8.262/2014. Uma das ideias iniciais era a de que a Anvisa aproveitasse a oportunidade para alterar também as imagens de advertência, usadas na face posterior da embalagem.

Grupos antitabagistas consideram as imagens desatualizadas. Por estarem há muitos anos em exposição, avaliam, as advertências já não provocam o mesmo impacto. A ideia, no entanto, foi adiada, por não haver estudos técnicos sobre eventuais mudanças. Frases de advertência são consideradas cruciais por integrantes de entidades de controle do tabagismo. Estudos mostram que a estratégia de se tornar menos atrativa a embalagem do cigarro ajuda a prevenir que jovens iniciem o tabagismo.

http://www.em.com.br/

domingo, fevereiro 22, 2015

Parlamentares coreanos debatem fotos de advertência nos maços de cigarros

22/02/2015
Por Kim Se-jeong

Os parlamentares vão começar a debater terça-feira, a possibilidade de tornar obrigatório aos fabricantes de cigarros, a impressão de fotos nos maços de cigarros, mostrando os perigos do tabagismo.

O Comitê da Assembleia Nacional da Saúde e Bem-Estar irá analisar a proposta do governo de rever as leis, para que se exijam fotos de advertência, como pulmões danificados ou dentes podres. Atualmente, os fabricantes de tabaco são obrigados apenas a imprimir um aviso de saúde.

Observadores disseram que há uma boa chance de as revisões ocorrerem. O governo fez 11 tentativas sem sucesso para ter as fotos de advertências nos maços de cigarros a partir de 2002.

"Muitos membros da comissão concordam que está na hora de as fotos de advertência se tornarem obrigatórias", disse o deputado Kim Sung-ju. "Precisamos descobrir como e quando iniciá-lo."

Mas a oposição é forte a partir dos fumantes, que reivindicam o tabagismo como um direito básico concedido pela Constituição. O lobby das companhias de tabaco também é um obstáculo.

O governo tomou recentemente medidas fortes para proibir ou restringir o fumo.

O Ministério da Saúde quase dobrou o preço dos cigarros recentemente. Ele também proibiu o fumo em todos os bares, restaurantes e cafés, independentemente do tamanho. O governo está trabalhando para se tornar ilegal a propaganda de cigarros em lojas de conveniência e proibir os fabricantes de tabaco de patrocínio de eventos esportivos e culturais.

O Ministério está sendo incentivado por experiências de outros países. No Canadá, fotos de advertência têm ajudado a reduzir o tabagismo entre os adolescentes. Outros estudos têm mostrado que as fotos ajudaram a reduzir a taxa de tabagismo de 2 a 3 por cento.

Fotos de advertência são usadas em mais de 70 países. Em 2016, o número chegará a 95, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cuja Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco, que a Coreia  assinou em 2005, também recomenda os avisos visuais.

skim@koreatimes.co.kr
www.koreatimes.co.kr