quinta-feira, agosto 13, 2015

Empresa americana alega que cigarro de chá verde ajuda a parar de fumar

Produto é registrado como cigarro comum por agência sanitária dos EUA.
Não há evidência científica de que 'cigarro verde' ajude a parar de fumar.

13/08/2015 05h00 - Atualizado em 13/08/2015 11h55



Uma empresa americana desenvolveu um cigarro feito de chá verde e alega que ele pode ajudar os fumantes a parar de fumar. Chamado Billy 55, o "cigarro verde" foi ideia de um acupunturista de 35 anos que, segundo o site da empresa, estava cansado de não conseguir ajudar seus pacientes a abandonar o cigarro.
Segundo o fundador da empresa, Ranko Tutulugdzija, o cigarro de chá pode ajudar os fumantes a parar de fumar se eles seguirem alguns passos. Primeiro, substituir alguns cigarros comuns por cigarros de chá. Depois, fumar exclusivamente os cigarros verdes. Depois começar a reduzir o número de cigarros fumados com a ajuda de acupuntura. Segundo a empresa, o cigarro de chá ajudaria o fumante a se livrar do vício da nicotina e do tabaco enquanto ele ainda tem a sensação de fumar um cigarro parecido com o tradicional.
Apesar das alegações da empresa, a agência de vigilância sanitária dos Estados Unidos, o FDA, classifica o produto como um cigarro comum, de acordo com a revista "Time", já que envolve fumar uma substância que produz monóxido de carbono. Um alerta publicado em letras pequenas no site da empresa lembra que os cigarros de chá também contêm alcatrão, além do monóxido de carbono.
Especialistas ouvidos pela revista "Time" veem o produto com ceticismo e afirmam que não há evidência científica de que o cigarro de chá realmente ajude alguém a abandonar o cigarro. Até o momento, a venda do produto está restrita aos Estados Unidos.

http://g1.globo.com/

quarta-feira, julho 15, 2015


BAT estará encerrando suas operações no Chile após mudanças na lei




14 de julho de 2015

British American Tobacco disse que vai encerrar suas operações no Chile por causa de mudanças na lei do tabaco do país, conforme informa Richard Craver para The Associated Press, publicado no Jornal de Winston-Salem.

BAT disse que se opusera às mudanças que incluíram proibir aditivos, tais como mentol, e somando-se aos maços de cigarros as advertências maiores sobre os riscos do tabagismo.

A unidade chilena da empresa chamou o endurecimento da lei do tabaco do Chile de "inconstitucional e arbitrário '.

"Lamentamos profundamente que tenha sido aprovado pelo Senado, uma decisão que afetará milhares de chilenos que estavam trabalhando de forma legal e responsável por mais de 100 anos", disse a empresa em um comunicado.

A empresa, que tem operado no Chile desde 1909, diz que vai iniciar demitindo 20 por cento dos seus cerca de 1.000 empregados.

www.tobaccoreporter.com

quinta-feira, junho 04, 2015

Polícia desarticula quadrilha que fabricava cigarros falsificados
04/06/2015 12h09 - Atualizado em 04/06/2015 12h28

Fábrica clandestina foi descoberta na zona rural de Ibitinga (SP). 
Com estrutura milionária, eles distribuíam cigarros em todo o país.

A Polícia Civil desarticulou nesta quinta-feira (4) uma quadrilha que produzia cigarros falsificados na região Centro-Oeste Paulista e distribuía a mercadoria para todo o país. O produto era produzido em uma fábrica clandestina que foi localizada nesta madrugada na zona rural de Ibitinga (SP). Segundo o delegado Cledson Nascimento, foram apreendidos aproximadamente R$ 2 milhões em máquinas.



Do local, saíram os milhares de cigarros encontrados semana passada em um galpão, também na área rural de Ibitinga. O flagrante nesta madrugada praticamente encerra uma investigação das polícias civil de Bauru e Ibitinga que já dura mais de dois meses. A estrutura da fábrica é milionária.
“Além dos cigarros, os selos falsificados, embalagens, filtros de cigarros, ou seja, toda linha de produção desta fábrica clandestina.Bastante maquinário, no valor de aproximadamente R$ 2 milhões ”, explica o delegado Cledson Nascimento.

Dois homens estavam no local quando os policiais chegaram. Um identificado como o filho de um integrante da quadrilha já preso, conseguiu fugir. O outro, contratado para transportar a mercadoria, foi ouvido na delegacia e liberado. Ele alegou que aceitou o serviço sem saber do que se tratava a carga.

Uma terceira pessoa, que aparece como contratante da propriedade onde fica a fábrica, mora em Arealva e também já foi identificada. Na semana passada, quando o galpão que servia de depósito foi descoberto, quatro pessoas foram presas, entre elas o chefe da quadrilha que é morador de Bauru. "As nossas investigações apontam que ele é um dos grandes flasificadores de cigarros para o Brasil inteiro", afirma o delegado.

Toda a matéria-prima e o maquinário da fábrica clandestina serão periciados e enviados para a Receita Federal de Araraquara.

http://g1.globo.com

terça-feira, junho 02, 2015

BAT assina acordo para adquirir TDR

01 de junho de 2015

British American Tobacco disse hoje que assinou um acordo para adquirir TDR, a líder independente fabricante de cigarros na Europa Central.
Se o acordo receber as aprovações necessárias, BAT vai adquirir TDR e os ativos de varejo de Adris Grupa 'por um valor total de € 550.000.000.
TDR é dita de possuir uma posição de liderança no mercado da Croácia e posições de escala na Bósnia e na Sérvia, todos os quais irão fornecer à BAT a oportunidade de ampliar seus negócios na região "significativamente".
"Ao combinar seus negócios existentes na região, juntamente com TDR, BAT espera se beneficiar de pessoas altamente qualificadas, de marcas bem estabelecidas, recursos avançados de processamento de folhas, uma fábrica de impressão e instalação de alta qualidade local, e um forte relacionamento com distribuidores e varejistas nestes mercados, informou a BAT em uma nota postada em seu site.
"Como parte da transação, BAT tem o compromisso de manter a fábrica da TDR em Kanfanar, Croácia, operando por pelo menos cinco anos após a conclusão da aquisição.
"Esta é uma aquisição interessante para BAT, que irá proporcionar escala imediata em três mercados principais, da Croácia, da Bósnia e da Sérvia e estabelecer uma plataforma sustentável para crescer o nosso negócio na Europa Central", disse Nicandro Durante, presidente-executivo da BAT.
A proposta de aquisição está sujeita a uma série de aprovações antitruste e do consentimento dos acionistas da Adris. A transação deverá ser concluída em Outubro de 2015.

www.tobaccoreporter.com
Eastern Tobacco pretende fabricar cigarros no Malawi

01 de junho de 2015

O governo do Malawi e a companhia Eastern Tobacco (Egito) assinaram um memorando de entendimento em matéria de fabricação de cigarros no Malawi, segundo informa o Nyasa Times de quinta-feira.
O Times reportou que a Eastern  'deverá ter uma cerimônia inovadora que marcará o início da empresa no país, em Kanengo, área industrial em Lilongwe ".
O presidente do Malawi, Peter Mutharika, elogiou Eastern por investir no país e apontou que grande safra de tabaco do Malawi poderá ganhar mais no mercado de câmbio se parte dela forem exportadas como produtos acabados.
Mutharika disse que o Malawi foi um dos maiores produtores de tabaco, mas que, ao longo dos anos houve pouca melhora em relação a adição de valor.
"Hoje tenho o prazer de assinar o memorando de entendimento entre o Governo do Malawi e a companhia Eastern Tobacco do Egito, que estarão envolvidos na fabricação de cigarros", disse Mutharika.
"Estes cigarros serão vendidos dentro ou fora do país e isso vai fazer o país ganhar mais dinheiro estrangeiro", disse ele.

www.tobaccoreporter.com/

domingo, maio 31, 2015

Presos fabricantes de cigarros falsos
Quadrilha que abastecia toda a região e até outros Estados foi presa ontem em operação da Polícia Civil; chefe do esquema era morador de Bauru



Nas vésperas do Dia Mundial Sem Tabaco, comemorado no próximo domingo (31), a Polícia Civil prendeu, ontem, quatro pessoas acusadas de integrar uma quadrilha que fabricava cigarros falsificados e distribuía os produtos para toda a região e cidades de outros Estados brasileiros. Identificado como chefe da associação criminosa e responsável por toda a logística do esquema, Antonio Benedito da Silva, 52 anos, era morador de Bauru.

No galpão alugado que funcionava como depósito das mercadorias, em Ibitinga (90 quilômetros de Bauru), foram apreendidos aproximadamente 85 mil maços de cigarro falsificados e duas carretas, além de 224 bobinas de papel próprio para a fabricação do produto e 14,3 toneladas de fumo, que ainda seriam misturadas a outros componentes.



A operação foi desencadeada por volta das 7h30 dessa quinta-feira (28) pela Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise) de Bauru em conjunto com o setor de inteligência da Seccional e da Polícia Civil de Jaú e Pederneiras. Segundo o delegado titular da Dise, Cledson Nascimento, as prisões foram resultado de cerca de três meses de investigações.

Além de Silva, foram presos Robson Ricardo Teles, 38 anos, morador de Arealva (41 quilômetros de Bauru), Éderson Henrique Razza, 33 anos, e Tiago Pinto de Carvalho, 29 anos, ambos de Ibitinga. Os três foram flagrados no depósito localizado em Ibitinga, carregando uma das carretas para a posterior distribuição das mercadorias.

Cópias grosseiras

Silva foi detido em sua casa, na quadra 11 da rua Doutor Armando Pieroni, na Vila Riachuelo, zona sul de Bauru. Buscas foram realizadas em duas propriedades rurais em Arealva e Itaju (69 quilômetros de Bauru) na tentativa de localizar a fábrica, mas nada foi encontrado.



Segundo o delegado, a quadrilha falsificava cigarros de duas marcas – uma nacional e outra paraguaia. “As cópias eram bastante grosseiras. Tudo leva a crer que eles usavam uma máquina extrusora para a fabricação e, depois, os funcionários embalavam e encaixotavam para distribuição”, observa.



É o mesmo modo de operação utilizado na fábrica de cigarros interditada pela Polícia Civil em junho de 2009, em Piratininga, em que Silva também estava envolvido, conforme comprovaram as investigações. Ainda de acordo com o titular da Dise, as investigações continuam para tentar localizar esta nova fábrica e outros integrantes da quadrilha.

Os que foram presos nessa quinta (28) responderão por associação criminosa, falsificação de selo público, falsificação de propriedade industrial e por crime contra a saúde pública. Eles seriam encaminhados ao Centro de Detenção Provisória (CDP) de Bauru. As mercadorias apreendidas foram levadas para a Delegacia da Polícia Federal.

http://www.jcnet.com.br/
'Don Corleone' é a marca de cigarros mais popular para os contrabandistas irlandeses


Aproximadamente 31,5 milhões de cigarros ilegais foram apreendidos por agentes aduaneiros irlandeses neste ano.


Os cigarros no mercado negro, que foram apreendidos de 1 de Janeiro a 28 de maio, têm um valor de varejo de mais de € 15.500.000, de acordo com a Receita.

'Don Corleone'  foi a marca de cigarro mais contrabandeada depois da maior apreensão onde se viu 10,3 milhões de seus cigarros apreendidos em março.

Eles chegaram ao Porto de Dublin a partir da Bélgica com um valor de varejo de € 4,7 milhões.



Os cigarros 'Dorchester' foi a segunda marca mais contrabandeada, após a apreensão de mais de nove milhões de cigarros da marca, estimadas a valer acima de € 4,5 milhões, também no porto de Dublin.

As outras marcas confiscadas incluem: Manchester (7,6 milhões), Marlboro (449,221), Septwolves (252,752) e Benson & Hedges (222,864).

Cerca de 53,4 milhões de cigarros e 9.824 quilos de tabaco, no valor de € 25.470.000 e € 4.220.000, respectivamente, foram apreendidos em 2014.


Em um comunicado, a Receita disse que está empenhada em combater o comércio ilegal de tabaco através de "um conjunto de medidas destinadas a identificar e atingir aqueles que estão envolvidos no fornecimento ou venda de produtos ilícitos".

http://www.thejournal.ie/

sexta-feira, maio 08, 2015

PF fecha fábrica de cigarros clandestina em Lavrinhas-SP
A Crítica de Campo Grande-MS, Quinta, 7 de Maio de 2015 - 09:27  

Foram encontrados milhares de maços de cigarros, de marcas variadas, nacionais e estrangeiras.


A Polícia Federal, em atuação conjunta com a Receita Federal, fechou na última terça (5) uma fábrica clandestina de cigarros que funcionava às margens da Rodovia Presidente Dutra, no município de Lavrinhas/SP.

A ação visava dar cumprimento a mandado de busca e apreensão para averiguar notícia que o local serviria como depósito de insumos para fabricação de cigarros falsificados. Foram encontrados milhares de maços de cigarros, de marcas variadas, nacionais e estrangeiras, ostentando selos de controle de IPI falsificados. Havia, também, uma linha de produção completa para confecção e embalagem dos cigarros.

Ninguém foi encontrado. Será instaurado inquérito policial para apurar quem são os proprietários da fábrica clandestina, os quais poderão responder pela falsificação de selo de controle de imposto e importação irregular de maquinário.

Cigarros, máquinas, embalagens e matéria-prima foram apreendidos e encaminhados ao depósito da Receita Federal em Taubaté.

http://www.acritica.net/
Fábrica clandestina de cigarros é fechada em Lavrinhas, SP
06/05/2015 15h06 - Atualizado em 06/05/2015 17h25

No local, às margens da Dutra, foram encontrados maços e maquinário.
Ação foi realizada pela Polícia e Receita Federal; ninguém foi preso.

Caixas de maços de cigarro e maquinário foram encontrados na fábrica clandestina em Lavrinhas (Foto: Divulgação / Polícia Federal )

A Polícia Federal fechou na tarde dessa quarta-feira (05) uma fábrica clandestina de cigarros em Lavrinhas, interior de São Paulo. Aproximadamente 500 mil maços de cigarros foram apreendidos, mas ninguém foi preso.

Na ação, em conjunto com a Receita Federal, foi cumprido um mandado de busca e apreensão expedido pela Vara Federal de Guaratinguetá. As investigações que levaram ao local duraram dois meses.

Na fábrica, que fica às margens da Via Dutra, principal corredor viário entre São Paulo e Rio de Janeiro, foram encontrados maços de cigarro, de marcas variadas nacionais e estrangeiras, com com selos de controle. Segundo a polícia, nesse local havia também uma linha de produção completa para confecção e embalagem dos cigarros.
“Ainda não fizemos uma contagem mais refinada dos cigarros apreendidos, mas foram suficientes para encher dois caminhões baús”, disse o delegado Sérgio Mori da PF.

Ninguém foi encontrado na fábrica clandestina quando a polícia chegou ao local. Será instaurado um inquérito para apurar quem são os proprietários do local, que poderão responder pela falsificação de selos de controle de imposto e importação irregular de maquinário.

http://g1.globo.com/

sexta-feira, maio 01, 2015

Comissão Federal de Comércio dos EUA deverá aprovar negócio de US$ 27 bilhões.

New York Post
24 de abril de 2015




A Comissão Federal de Comércio deve aprovar a compra da Lorillard pela Reynolds American por US$ 27 bilhões em uma votação de 4 a 1, apesar das objeções de alguns funcionários da agência, informou New York Post.

O acordo irá combinar a segunda e a terceira maiores fabricantes de cigarros, e duas das três marcas de cigarros mais populares entre os jovens adultos, Newport e Camel.

A aprovação regulamentar abrirá caminho para uma transação de três vias, que vai remodelar a indústria do tabaco. Reynolds e Lorillard também concordam em vender cinco marcas por US$ 7 bilhões para a Imperial Tobacco.

Embora tenha havido algum ceticismo com a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos em aprovar o acordo, as empresas alegaram que a venda de Winston, Kool e outras marcas menores, deve colocar a Imperial numa forte terceira posição.

Imperial, que tem pouca presença nos EUA, também convenceu os reguladores de que pode construir seu negócio no país com base em seu sucesso no exterior, informou uma fonte.

Enquanto as autoridades de defesa da concorrência têm olhado de soslaio para outras mega-fusões nas indústrias de cabo e de alimentos, o tabaco já é uma indústria rigidamente controlada e que gera receitas fiscais enormes.

Mesmo assim, os críticos têm chamado os reguladores para bloquear o negócio, em parte devido às preocupações com a comercialização de tabaco para as crianças.

Matthew Myers, presidente da Campanha para Crianças Livres do Tabaco, advertiu no ano passado que a fusão poderia "aumentar o poder dessas empresas no mercado para as crianças."

Reynolds não retornou as ligações. A Comissão Federal de Comércio não quis comentar.

http://nypost.com/