terça-feira, abril 25, 2017

JTI vai investir R$ 80 milhões em fábrica de cigarros
Ao todo, serão gerados 81 empregos, sendo 71 diretos e 10 indiretos
SANTA CRUZ DO SUL  25/04/2017 09:44:23




Um investimento de peso no setor fumageiro foi confirmado na manhã desta terça-feira, 25. A Japan Tobacco International (JTI) anunciou que irá implantar uma fábrica de cigarros em Santa Cruz do Sul, a primeira da empresa no Brasil. Ao todo, serão investidos R$ 80 milhões e gerados 81 empregos, sendo 71 diretos e 10 indiretos. A inauguração está prevista para março de 2018.

Atualmente, a JTI importa as suas marcas de cigarros, Camel e Winston, de uma de suas unidades na Europa. Com a nova fábrica, a empresa passará a ter todas as fases de sua cadeia de produção no Brasil. As operações da JTI no País já incluem o segmento de Tabaco em Folha - responsável pelos processos de produção, compra, pesquisa, processamento e exportação de tabaco -  e Mercado de Cigarros - responsável pela venda e distribuição de seu portfólio de marcas no País.

"Este projeto demonstra a confiança da JTI no Brasil. Mesmo durante um momento adverso e desafiador do País, reconhecemos o potencial deste mercado e sua importância para as metas de longo prazo de nossa empresa. Esta fábrica é a peça que faltava para termos todo o processo de nossa cadeia produtiva no País. É o resultado do esforço de uma equipe que vem construindo fortes resultados, com credibilidade e a vivência plena dos nossos valores corporativos – Empreendedorismo, Abertura e Desafio”, afirma Eduardo Renner, vice-presidente da Operação de Tabaco em Folha e Supply Chain.

A EMPRESA

Atualmente, a JTI já conta com uma planta de processamento de tabaco em Santa Cruz e unidades espalhadas por oito estados (SP, RJ, RS, PR, SC, MG, PE e BA). A sua força de trabalho abrange 945 colaboradores diretos e mais 1 mil safristas.

A JTI está presente no Brasil desde 2000. Em 2009 iniciou sua operação e Tabaco em Folha e a partir de 2014 começou a importar seu portfólio de cigarros, que são distribuídos atualmente em 12 estados brasileiros, além do Distrito Federal. No ano passado, a empresa inaugurou um Centro Nacional de Distribuição e investiu R$ 90 milhões em melhorias na operação de Tabaco em Folha em Santa Cruz e em Canoinhas (SC).

"Os consumidores brasileiros são extremamente exigentes quando se trata da escolha de produtos de alta qualidade. Nós estamos orgulhosos de ter o portfólio de produtos de mais rápido crescimento do mercado, Camel e Winston. E esta nova fábrica nos dará a oportunidade de expandir o nosso portfólio, levando a adultos fumantes produtos de alta qualidade, reforça Diego Luchessa, gerente geral e vice-presidente da JTI Brasil.

http://gaz.com.br

domingo, abril 23, 2017

Monopólio seguro no Sri Lanka

20 de Abril de 2017





O Departamento de Imposto de Consumo do Sri Lanka (DE) negou as alegações de que está sendo feita uma tentativa de registrar uma segunda companhia de cigarros no país, de acordo com informações no The Island.

Ceylon Tobacco Company (CTC), a segunda maior empresa cotada na Bolsa de Valores de Colombo, é a única fabricante legal de cigarros do Sri Lanka.

Um porta-voz da DE, que respondeu a reclamações da Associação de Médicos do Governo (GMOA) sobre uma tentativa de registrar uma segunda companhia de cigarros, disse que seu departamento não tinha recebido nenhum pedido de registro. E teria que haver um pedido formal se essa empresa fosse funcionar legalmente, disse ele.

Enquanto isso, o ministro da Saúde, Dr. Rajitha Senaratne, disse que as reivindicações do GMOA a respeito de uma tentativa de registrar outra companhia de cigarros no país compreende uma mentira absoluta.

"Não houve nenhum outro governo neste país que tenha trabalhado para reduzir o uso de tabaco e cigarros como o presente", disse ele. "Preocupado em conter a ameaça, foram implementados vários regulamentos, incluindo o imposto de 90 por cento sobre o tabaco."

Senaratne disse que dois papéis do gabinete tinham sido apresentados para proibir a venda de cigarros dentro de um raio de 500 metros das escolas e da venda de cigarros individuais.

Anualmente, o governo recebeu uma receita tributária de Rs100 bilhões, enquanto gastou mais de Rs72 bilhões no tratamento de doenças decorrentes do tabaco e do consumo de cigarros. Cerca de 25.000 pessoas perderam suas vidas anualmente devido ao consumo de tabaco e álcool.

Senaratne disse que, de acordo com a companhia de tabaco [supostamente, CTC], sua renda tinha reduzido em um por cento depois que o governo aumentou os impostos sobre o tabaco. "Alguém estaria interessado em montar uma outra companhia de cigarros em circunstâncias tão hostis?", perguntou o ministro retórico.

Durante o mandato do governo anterior as advertências gráficas em cigarros foram reduzidas de 80% para 60%. No entanto, naquela época, o GMOA, que alegou ter dedicado a batalha ao tabaco e tabagismo ficou silencioso sobre o assunto, diz Senaratne.

Senaratne prometeu que o atual governo não permitiria o registro de outra companhia de cigarros.

O GMOA, entretanto, disse estar em processo de escrever ao presidente Maithripala Sirisena incitando-o a sondar o assunto.

www.tobaccoreporter.com

terça-feira, abril 18, 2017

BAT compra marcas búlgaras

13 de abril de 2017

British American Tobacco diz que está comprando várias marcas de cigarros da  Bulgartabac por mais de € 100 milhões (US $ 106 milhões), de acordo com informação da Agence France Presse retransmitida pela TMA.

A BAT teria afirmado que a aquisição das marcas Victory, Eva Slim e GD elevariam sua participação de mercado na Bulgária de 12% para 40%.

O negócio, que está sujeito à aprovação regulamentar, também inclui a distribuição e ativos de varejo na Bulgária e na região do Adriático.

O chefe regional da BAT, Richard Widmann, afirmou que o mercado búlgaro tem um "futuro muito brilhante".

Outro porta-voz da BAT acrescentou que a transação se alinhava financeira e estrategicamente com seus objetivos de negócios para a região da Europa Central. O grupo expandiria seus negócios na Bulgária e reforçaria sua posição nos Balcãs, após a aquisição da TDR em 2015.

www.tobaccoreporter.com

sexta-feira, março 31, 2017

Menos que avisos gráficos

20 de Março de 2017


Um ano depois que as regras sobre a impressão de advertências gráficas de saúde nas embalagens de tabaco tornaram-se obrigatórias, um estudo em Bangladesh descobriu que a maioria das empresas de tabaco ainda estão burlando a lei, de acordo com informação do bdnews24.com.

A indústria tabaqueira preferiu recorrer a novas táticas para minar a implementação da lei, disse o grupo anti-tabaco Progga, que estava envolvido no estudo.

"O governo precisa fortalecer a célula nacional de controle do tabaco para que eles possam monitorar o mercado de forma eficaz", disse o diretor executivo da Progga, ABM Zubair, ao bdnews24.com.

A lei sobre advertências gráficas de saúde foi aprovada no parlamento em abril de 2013, mas foram necessários 22 meses para adotar as regras de implementação, principalmente devido à pressão da indústria. Então, novamente, levou um ano para implementar os avisos de saúde gráfica.

A lei entrou em vigor em 19 de março do ano passado.

O estudo descobriu que 51 por cento dos produtos de tabaco não obedeceram à lei e que o número esmagador de produtores de tabaco estava vendendo produtos que não cumpriam totalmente as diretrizes gráficas de alerta de saúde.

Zubair disse que o Ministério da Saúde havia fornecido sete regras sobre a impressão dos avisos e não obedecer qualquer um deles poderia diminuir o impacto.

Por exemplo, ele disse, o quadro tinha de ser claro para que as imagens devastadoras de lesões pudessem chamar a atenção de todos, mesmo aqueles que não sabiam ler. "Mas se você imprimir uma foto granulada, então eles não vão entender", disse ele. "Isso vai reduzir o impacto".

Zubair disse que os fabricantes de cigarros manuais, tais como bidis e tabaco sem fumaça, como jorda, que são embalados em embalagens redondas ou cilíndricas, estavam aproveitando o fato de que as fotos não podiam ser exibidas corretamente em tais embalagens.

www.tobaccoreporter.com


quarta-feira, março 08, 2017


Coréia do Norte

07 de Março de 2017


A produção de uma popular marca de cigarros na Coréia do Norte foi suspensa sob as ordens do líder do país, Kim Jong Un, de acordo com reportagem do Daily NK.

A marca em questão é "Kumsugangsan", que em coreano significa "terra de beleza natural".

O Daily NK informou que uma fonte em Pyongyang havia dito que, durante uma reunião para promover a produção de bens nacionais, Kim Jong Un tinha dito que o nome dos cigarros, que eram produzidos em colaboração com a China, não refletia com precisão o "estado real" da Coréia do Norte.

"Logo depois, o cigarro já não era produzido e foi substituído pelo nome de  'Pyongyang' ", disse a fonte.

Cada fábrica de cigarros na Coréia do Norte produz seus produtos de acordo com uma meta anual de produção de tabaco.

Mas a fabricante de Kumsugangsan foi forçada a produzir Pyongyang, apesar das metas de produção.

Para manter os níveis de lucro na fábrica, Pyongyang está sendo vendido no varejo a 4.000 KPW, em par com o preço de Kumsugangsan.

Kim Jong Un disse em uma reunião que Kumsugangsan conjurava uma imagem de terra verdejante e águas cristalinas, o que não estava em consonância com a realidade do país.

A fonte disse que isso era uma crítica ao desmatamento extensivo do país e sua proteção insuficiente ou manutenção de vias navegáveis.

www.tobaccoreporter.com

segunda-feira, fevereiro 20, 2017

Eslovênia: Embalagens simples em 2020

15 de fevereiro de 2017. O Parlamento aprovou por unanimidade uma lei para proibir a publicidade de produtos de tabaco e exigir embalagem uniforme a partir de 2020, informou a Reuters.
A Eslovênia se une a países como a Austrália e o Reino Unido para exigir uma cor e marca padrão nas embalagens de tabaco. Cerca de um em cada quatro eslovenos com idades compreendidas entre 15 e 64 anos fumam. O ministro da Saúde Milojka Kolar Celarc teria dito que o país quer reduzir a taxa de tabagismo para menos de 5 por cento da população adulta.


Tobacco Journal International

sábado, fevereiro 04, 2017

Anvisa suspende registro de nove cigarros

Produtos com cadastros suspensos eram fabricados pela empresa Bellavana Industria, Comércio, Importação, Exportação de Tabacos Ltda

por Portal Brasil
Publicado: 30/01/2017 18h56
Última modificação: 30/01/2017 18h56

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu o registro de nove tipos de cigarro com filtro nesta segunda-feira (30). A suspensão foi publicada no Diário Oficial da União.

A medida foi provocada pelo cancelamento do registro especial de fabricante de cigarros junto à Secretaria da Receita Federal do Brasil, que ocorreu no dia de janeiro de 2017.

Os produtos cujos cadastros foram suspensos eram fabricados pela empresa Bellavana Industria, Comércio, Importação, Exportação de Tabacos Ltda.

Confira abaixo os produtos que tiveram suas petições deferidas:


Marca/
Processo

BELLAVANA 2014 CLASSIC (cigarro com filtro) - embalagem maço
25351.708233/2013-25

BELLAVANA 2014 PREMIERE (cigarro com filtro) - embalagens maço e box
25351.708240/2013-60

KLINT BY EIGTH CLASSIC (cigarro com filtro) - embalagem box.
25351.708268/2013-16

KLINT BY EIGTH PREMIERE (cigarro com filtro) - embalagem box.
25351.708252/2013-30

KLINT BY EIGTH PRIME (cigarro com filtro) - embalagens box e maço
25351.708257/2013-75

KLINT CLASSIC (cigarro com filtro) - embalagens box e maço.
25351.047734/2012-22

KLINT PREMIERE (cigarro com filtro) - embalagens box e maço.
25351.047741/2012-67

REYES SF CLASSIC (cigarro com filtro) - embalagens box e maço.
25351.047729/2012-46

REYES WF PREMIERE (cigarro com filtro) - embalagens box e maço.
25351.047712/2012-31

Fonte: Anvisa
http://www.brasil.gov.br/