domingo, janeiro 31, 2016

Espanha perderá a última fábrica de cigarros da Altadis em junho

25 janeiro de 2016

Altadis, da Imperial Tobacco, planeja fechar sua última fábrica de cigarros na Espanha, de acordo com informações da agência France Presse.

As vendas de cigarros do grupo na Espanha caíram em mais de 45 por cento em volume, durante os últimos cinco anos, devido em parte às pressões regulatórias.

Um porta-voz que não quis se identificar, disse à agência de imprensa que um aumento considerável nas vendas ilegais, causada em grande parte pela crise econômica, contribuiu para a queda.

E assim teve uma queda nas exportações para os principais mercados do Oriente Médio, como as do Iraque e da Síria.

Ele informou que a Altadis deverá encerrar sua fábrica de cigarros na região norte La Rioja até 30 de Junho e que que vai priorizar a reforma antecipada ou demissão voluntária para os 471 trabalhadores afetados.

A planta de La Rioja foi a última fábrica de cigarros pertencente a Altadis na Espanha, disse o porta-voz, antes de acrescentar que o grupo tinha uma fábrica de charutos e cigarrilhas em Cantabria, norte da Espanha.

www.tobaccoreporter.com

terça-feira, dezembro 22, 2015

China espera construir fábrica de cigarro em Harare

04 de dezembro de 2015

A China tem a intenção de montar uma fábrica de cigarros em Harare, seguindo as discussões entre o governo do Zimbabue e funcionários do 'State Tobacco Monopoly Administration' da China, de acordo com informações do Daily News.

Ministro das Finanças e Desenvolvimento Econômico do Zimbabue, Patrick Chinamasa disse estar disposto a manter o foco na indústria do tabaco do país em adição de valor, de modo a criar mais empregos.

"Estamos recebendo indicações da China e por um longo tempo temos tido envolvimentos com aquele país", citou Chinamasa. "Há um monopólio estatal de tabacos na China e você não pode obter tabaco bruto ou processado na China, a menos que seja através da empresa de monopólio estatal.

"Temos perguntado por uma participação na China, mas eles se recusaram; então nós mudamos a tática e dissemos que eles poderiam vir aqui e fazer uma fábrica para fabricar cigarros.

"Se for bem sucedido, eles podem vir e montar uma fábrica de cigarros e exportar para a China."

A China é o maior consumidor de tabaco do Zimbabwe.

www.tobaccoreporter.com

segunda-feira, novembro 30, 2015

França impõe embalagens padronizadas de cigarros
27 de novembro de 2015

O parlamento francês aprovou uma lei restritiva impondo embalagens padronizadas para os cigarros, segundo informa o Euronews.

As embalagens padronizadas, que já são utilizadas para os produtos de tabaco na Austrália e que já foi legislado para a Irlanda e Reino Unido, estão para ser imposta na França a partir de Maio do próximo ano, numa tentativa de reduzir o tabagismo, particularmente entre os adolescentes.

O tabagismo é dito de ser a principal causa de morte na França, onde mais de 70.000 pessoas morrem a cada ano de doenças relacionadas com o tabaco.

O Euronews citou "especialistas" anônimos dizendo que a remoção da marca dos maços de cigarros e adicionando-se grandes advertências de saúde devem reduzir o tabagismo.

A nova diretiva da União Européia aos produtos de tabaco vai forçar fabricantes de tabaco a incluir nas embalagens, advertências de saúde tomando 65% da superfície da embalagem.

Os fabricantes de tabaco estão ameaçando uma ação judicial contra o governo francês.

www.tobaccoreporter.com

sábado, outubro 31, 2015

Japan Tobacco compra fabricante de cigarros iraniana.
18 de Outubro de 2015

Japan Tobacco International comprou uma fabricante de cigarros iraniana em uma tentativa de reforçar a sua posição como líder de mercado em um país que espera se abrir para as empresas ocidentais, uma vez que as sanções internacionais sobre seu programa nuclear sejam removidas.
A empresa disse que a JTI Pars, sua subsidiária iraniana, tinha recentemente adquirido a propriedade privada Arian Tobacco Industry (ATI) por uma quantia não revelada.

"Um número crescente de grandes empresas de vários países estão agora investindo ou reinvestindo no Irã", disse JTI. "Nossa subsidiária iraniana apenas concluiu a aquisição, apesar de tão recente, estamos confiantes de que isso irá melhorar o nosso negócio no Irã a partir do próximo ano.
Uma pessoa com conhecimento do mercado do tabaco do país disse que a compra foi provavelmente uma resposta às expectativas que a Philip Morris, fabricante dos cigarros Marlboro, tinha para entrar no mercado."

"Esta aquisição irá duplicar a quota de mercado da JTI e ajuda a manter a sua vantagem competitiva - graças à presença de JTI Pars no Irã desde 2002 - antes de Marlboro entrar nesse mercado ", disse a pessoa.

As outras companhias de tabaco estrangeiras que operam no Irã são British American Tobacco, através de sua subsidiária BAT Pars, e KT & G da Coreia.

O Irã é um ambiente difícil para as empresas internacionais de tabaco. A indústria não tem permissão para comercializar cigarros através da publicidade e pesados impostos se traduzem em preços mais elevados para os produtos de tabaco.

Fronteiras porosas aumentam os contrabandos, que também é prevalente. Cerca de 40 por cento dos cigarros fumados no país entram no mercado ilegalmente, de acordo com o ministério de indústria, comércio e minas do Irã.

As principais marcas produzidas na fábrica JTI Pars na província de Gilan são Winston, Magna e Monte Carlo.

A aquisição da ATI significa que maior produção ocorrerá em Zanjan, cerca de 300 quilômetros ao noroeste de Teerã, disseram pessoas familiarizadas com o negócio. As empresas empregam em conjunto cerca de 1.000 pessoas.

"A ATI tem algumas marcas fortes no segmento de valor crescente, a maior em termos de volume, e uma instalação de produção local de última geração, muito semelhantes aos padrões da Japan Tobacco", disse JTI.

Perguntado como as sanções afetam seus negócios, a empresa acrescentou: "Nós sempre acreditamos no futuro econômico do Irã e estamos ansiosos para consolidar a nossa presença, ainda mais com a melhoria do clima de negócios."

http://www.ft.com/

quinta-feira, setembro 24, 2015

Suspeito de ser maior contrabandista de cigarros do país foge em operação
Doze pessoas foram presas pela PF nesta quinta-feira, inclusive Lobão.
Fuga aconteceu durante um tumulto, segundo os policiais federais.

24/09/2015

Uma operação da Polícia Federal apreendeu uma carga de cigarros na tarde desta quinta-feira (24) em Cangaíba, na Zona Leste de São Paulo. Durante a ação, os policiais deixaram escapar o dono do contrabando: Roberto Eleutério da Silva, o Lobão, apontado pelas autoridades que combatem a pirataria como o maior contrabandista de cigarros do país, informou o SPTV.

Durante a ação, 12 pessoas foram presas. Lobão estava entre os detidos, mas conseguiu fugir mesmo depois de preso em flagrante. Os três policiais federais que tomavam conta dos detidos disseram que a fuga aconteceu durante um tumulto e que eles já tinham pedido reforço.

Em setembro de 2003, Lobão foi preso pela Polícia Federal. Na mesma época, ele negou na CPI da Pirataria que fosse contrabandista. Disse que era apenas um comerciante da Rua 25 de Março e que havia sido vítima de uma armação. Em 2004, a Justiça condenou Lobão a 22 anos de prisão por contrabando, formação de quadrilha e falsificação, entre outros crimes. Ele cumpriu parte da pena e foi solto.

O cigarro apreendido estava em uma carreta, com placas de São Paulo. Ela foi trazida para a sede da PF e será levada para a Receita Federal. O veículo foi localizado em um estacionamento que era monitorado pela PF há vários meses. As prisões aconteceram no momento em que a carreta com cigarro contrabandeado entrava para descarregar.

O SPTV informou que policiais federais confirmaram que o fugitivo era o contrabandista Lobão. No fim da tarde, a assessoria da PF disse que não pode afirmar que o suspeito que fugiu era Lobão porque ele não chegou a ser identificado.

A Corregedoria da Polícia Federal irá investigar a conduta dos policiais nessa ocorrência. A equipe não levou algemas porque não imaginava que encontraria tanta gente no estacionamento onde estava toda carga de contrabando.

g1.globo.com

segunda-feira, setembro 07, 2015


Saiu a nova lei do tabaco em Portugal. Maços vão ter imagens de pessoas a cuspir sangue (a partir de 01 de janeiro de 2016)

26/08/2015 | 14:30 |  Dinheiro Vivo
A partir de 1 de janeiro de 2016, tabaco vai trazer imagens chocantes. Objetivo: reduzir o consumo e evitar doenças


Saiu a lei que impõe ainda mais restrições à venda e ao uso do tabaco. Além de definir a proibição gradual (que em 2021 será total) do fumo em todos os espaços públicos fechados, designadamente restaurantes, casinos, discotecas, bares, o diploma traz 42 imagens chocantes que terão de figurar (a cores) nos maços e embalagens de tabaco já a partir de 1 de janeiro do ano que vem.

Imagens de pulmões e línguas com tumores malignos, pessoas mortas dentro de sacos ou enfermas em camas de hospital, uma mulher a cuspir sangue, um fumador a apagar um cigarro num cinzeiro com cinza em forma de um feto, um bebé a fumar através de uma chucha.

Estas serão algumas das opções à disposição dos fabricantes de tabaco e que constam da "biblioteca de imagens (de advertências de saúde combinadas)".

O tabaco é uma das principais causas de doenças graves mortais, mas também uma importante fonte de faturação para as empresas deste mercado e para o próprio Estado. Dá às Finanças um encaixe anual de 1,5 mil milhões de euros em impostos (estimativa para 2015, que cresce 7,5% face a 2014, aliás). Até julho, o Fisco recebeu 543 milhões de euros em sede de "imposto de consumo sobre o tabaco".

O diploma publicado nesta quarta-feira em Diário da República afirma que fumar provoca "nove em cada 10 cancros do pulmão"; "cancro da boca e da garganta" e que "os filhos de fumadores têm maior propensão para fumar", entre muitas outras advertências.
A nova lei, aprovada em abril pelo Governo e em julho pelo Parlamento, "procede à primeira alteração à Lei n.º 37/2007, de 14 de agosto, que aprova normas para a proteção dos cidadãos da exposição involuntária ao fumo do tabaco e medidas de redução da procura relacionadas com a dependência e a cessação do seu consumo".
E transpõe para a ordem jurídica interna "a Diretiva 2014/40/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 3 de abril de 2014, relativa à aproximação das disposições legislativas, regulamentares e administrativas dos Estados membros no que respeita ao fabrico, apresentação e venda de produtos do tabaco".
Proibição total em 2021
O mesmo diploma estabelece o regime de proibição gradual até 2020 do fumo em locais públicos (norma transitória), como "casinos, bingos, salas de jogo e outro tipo de recintos destinados a espetáculos de natureza não artística", "salas e recintos de espetáculos", "estabelecimentos de restauração ou de bebidas, incluindo os que possuam salas ou espaços destinados a dança".
Os locais que tenham salas e espaços reservados a fumadores e instalados extratores de fumo podem beneficiar da "permissão de fumar", mas esta só é válida até 31 de dezembro de 2020. Daí em diante, o tabaco será totalmente proibido nos espaços públicos fechados em Portugal.
O mercado em números
Segundo o último relatório da Direção-Geral de Saúde (DGS), "Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números, 2014", "o valor das vendas obtido pela indústria do tabaco, em 2012, foi de 458 milhões de euros (INE, 2014)".
O consumo de cigarros tem vindo a cair de forma persistente desde 2009 (ainda que ligeira, de ano para ano). Segundo as Finanças, citadas no balanço da DGS, o número de cigarros que entrou no mercado em 2009 rondou os 11,9 mil milhões de unidades. Em 2013, foram registados 10 mil milhões.
O agravamento brutal da carga fiscal e as crescentes restrições sobre os hábitos fizeram reduzir o consumo. É a tese que prevalece.
Contagem de mortes
O estudo da DGS refere ainda que "de acordo com as estimativas efetuadas no âmbito da iniciativa Global Burden of Disease (GBD 2010), pelo Institute for Health Metrics and Evaluation, em 2010, o consumo de tabaco foi responsável, em Portugal, pela morte de cerca de 11 mil pessoasfumadoras ou ex-fumadoras (aproximadamente 10,3% do total de óbitos verificados naquele ano). Destes óbitos, cerca de 83,2% registaram-se no sexo masculino".
E que "segundo a mesma fonte, o consumo de tabaco em Portugal foi responsável por 2348 mortes por doenças respiratórias (19,9% do total de óbitos por esta causa), 4643 mortes por cancro (18,6% do total de óbitos por esta causa) e 3777 mortes por doenças do aparelho cardiovascular(11,2% do total de óbitos por esta causa)", conforme dados da GBD (2010) e da Pordata (2014).
(Corrigido às 17h00: em vez de 48 são 42 imagens chocantes)
Produtos de tabaco exibirão imagens de advertência em Mianmar

Por Pyae Thet Phyo | quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Embalagens para cigarros produzidas em Mianmar em breve apresentarão fotos e textos advertindo contra os efeitos deletérios do consumo de produtos do tabaco, informou o ministro da Saúde  U Than Aung no início desta semana.

"Elaboramos uma notificação para incluir advertências de saúde em imagens e textos que cubram 75 por cento do maço de cigarros em ambos os lados, em conformidade com os acordos internacionais," disse U Than Aung em uma conferência em nível nacional sobre a questão da embalagem de tabaco, ocorrida em 24 de agosto.

"Já foi alterada de acordo com as sugestões dos especialistas legais, e nós vamos trazê-la em prática em breve."

Daw Nan Naing Naing Shein, vice-diretor da Divisão Básica de Saúde no âmbito do Departamento de Saúde Pública, disse que a notificação foi alterada com base nas sugestões do Gabinete do Procurador-Geral e está em fase final de preparação.

"A notificação foi enviada ao Ministério da Saúde e poderá ser promulgada depois que o ministério aprová-la", disse ela, acrescentando: "Gostaríamos que seja aprovado até o final deste mês, mas se não, em seguida, até o final do ano."

Daw Nan Naing Naing Shein disse que a notificação será promulgada no prazo de seis meses após a aprovação, o que dará tempo suficiente para que as imagens de alerta aprovadas sejam distribuídas para as fábricas de cigarros e tabaco.

As imagens, selecionadas pelo Ministério da Saúde, mostram pacientes que sofrem de câncer causado pelo uso de produtos do tabaco, bem como crianças vítimas de doenças respiratórias do fumo passivo.

"Nós imitamos as imagens utilizadas em outros países e, também usamos imagens de Mianmar", disse Daw Nan Naing Naing Shein.

A conferência sobre advertências sanitárias nos produtos de tabaco atraiu especialistas de Mianmar e da Organização Mundial de Saúde, que discutiu os prós e contras de vários planos de execução e as experiências de outros países que instituíram rótulos de advertência.

U Than Aung observou na conferência que, em 2013, os países membros da OMS concordaram em seis táticas para reduzir o consumo de produtos do tabaco.

"Uma dessas táticas foi implementar embalagens com imagens e texto sobre as consequências do uso de cigarros e produtos do tabaco. É uma tática simples, mas eficaz ", disse ele.

De acordo com estatísticas do Ministério da Saúde, 59% das mortes em Mianmar em 2014 poderiam ser atribuídas a doenças não infecciosas, tais como diabetes, hipertensão, doenças cardíacas e câncer.

"O principal culpado para o aumento das mortes por doenças não infecciosas é de cigarros e produtos do tabaco", disse Daw Nan Naing Naing Shein.

The Myanmar Times

sexta-feira, setembro 04, 2015

Não jogue no chão! Sua bituca vale um voto

Uma pesquisa inusitada para saber quem é o melhor jogador de futebol do mundo é feita nas ruas de Londres usando-se painéis com a pergunta: "Quem é o melhor jogador de futebol do mundo?"
A pesquisa é para os fumantes, para que apaguem seus cigarros e coloquem a bituca no orifício que lhe convém ser o melhor jogador. No final, o compartimento que estiver mais cheio representará a conclusão da enquete. As opções são Messi, ídolo do Barcelona e Cristiano Ronaldo, craque do Real Madrid.

imagem: internet

São explorados também outros assuntos do meio esportivo, como... "Quem vai vencer o clássico londrino de sábado? Crystal Palace ou Arsenal?", "O que você prefere assistir? O GP da Itália de Fórmula 1 ou o Aberto dos Estados Unidos?".